A histerectomia laparoscópica deve ser oferecida como uma grande alternativa para as pacientes candidatas à histerectomia abdominal, incluindo portadoras de mioma uterino, adenomiose, endometriose, hiperplasia endometrial atípica e displasias cervicais. Quanto às vantagens da histerectomia laparoscópica, temos a quase ausência de cicatriz abdominal, muito importante do ponto de vista estético, e que determina menos dor no pós-operatório, proporcionando uma alta precoce em menos de 24 horas.
A maioria das pacientes poderá retornar às atividades profissionais em um período inferior a 15 dias após a cirurgia. A tendência mundial na ginecologia é a mesma, ou seja, que a remoção do útero se dê por vídeo laparoscopia, à princípio.
As vantagens à mulher são tantas, que a preferência da própria paciente fica evidente quando o método laparoscópico lhe é oferecido.
Com a modernização cada vez maior dos equipamentos cirúrgicos e anestésicos aliados à qualificação contínua do profissional médico são poucas as contra-indicações ao método vídeo laparoscópico.

Acredito que a laparoscopia como tratamento cirúrgico ainda é o melhor meio de tratamento da endometriose, sendo que sua indicação ainda deve ser feita caso a caso e levando em conta principalmente idade, desejo reprodutivo e dor.

A laqueadura por laparoscopia é um procedimento cirúrgico realizado através de uma pequena incisão perto do umbigo e na parte inferior do abdômen, com introdução de uma câmara com fibra óptica, usado para ver as trompas de Falópio. O médico pode usar anéis ou clips para fechar as trompas. Outra possibilidade é cauterizar as mesmas através do bisturi elétrico.

A miomectomia é um procedimento cirúrgico que remove somente o mioma, não todo o útero, preservando assim a capacidade da mulher para engravidar. A miomectomia laparoscópica é utilizada para extrair miomas que se encontram tanto na porção externa do útero como na musculatura. Pequenas incisões são realizadas na parede abdominal, por onde são introduzidos uma microcâmera de vídeo e instrumentos apropriados para realizar a extração do mioma.

Uma das causas mais comuns da infertilidade é o fator tubáreo. Nesse grupo, estão incluídas todas as situações que impedem o funcionamento adequado das trompas ou tubas uterinas. Pode ser devido a aderências externas ou obstruções internas. As principais causas são doenças sexualmente transmissíveis seguidas de doença inflamatória pélvica, aborto séptico, apendicite aguda, cirurgia tubárea prévia, gestação ectópica ou mesmo endometriose evoluindo com a obstrução tubárea como principal sequela. Em diversos casos, não existe histórico de processo inflamatório pélvico, o que revela a existência também de infecção ascendente silenciosa, que deve ser considerada. O mecanismo da infertilidade é o processo mecânico que impede o encontro dos óvulos com os espermatozóides. Quando é necessário observar diretamente as trompas, utiliza-se a laparoscopia, um exame mais invasivo, em que se realiza uma pequena incisão junto à cicatriz umbilical, por onde é passado um endoscópio ligado a uma câmera. Essa cirurgia minimamente invasiva permite também o tratamento de alguns tipos de alterações, como aderências e obstruções leves e alguns tipos de endometriose, sendo indicada principalmente quando existe suspeita de uma dessas situações.

Pólipo endometrial é uma projeção mucosa do tecido que existe no interior do útero chamado endométrio.Acontecem em aproximadamente 10% da população feminina, principalmente a partir dos 40 anos.São umas das causas do excesso de menstruação e do sangramento uterino fora da menstruação, das cólicas menstruais e fora do período menstrual.A melhor forma de tratamento é a histeroscopia cirurgica com polipectomia, sendo um procedimento rápido e eficaz, a malignização do pólipo ocorre em 0,5% das vezes.

A histeroscopia é um procedimento que frequentemente faz parte da investigação e tratamento da infertilidade, abortamentos de repetição e sangramentos uterinos anormais. Esse procedimento pode ser realizado de forma cirúrgica (visualização e correção das alterações encontradas). As indicações mais comuns são suspeita de pólipos intra-uterinos, alterações do endométrio, miomas na cavidade uterina, suspeita de malformações uterinas congênitas e sinéquias.